IAPAR

09/03/2010

Agricultores são capacitados no manejo integrado de doenças em citros por pesquisador do IAPAR

(09/03/2010) A equipe das Redes de Referências para a Agricultura Familiar e a Área de Proteção de Plantas (APP) do IAPAR promoveram uma capacitação prática sobre o manejo integrado de doenças na citricultura, no último dia 25 de fevereiro. O coordenador das Redes no IAPAR, Rafael Fuentes Llanillo, articulou a visita do pesquisador fitopatologista Rui Pereira Leite Junior até o município de São Tomé, na região de Umuarama.

Acompanhados pelo extensionista Joaquim Martins, do Instituto Emater de Umuarama, cerca de 15 participantes entre técnicos locais e agricultores de municípios próximos reuniram-se na propriedade do produtor integrante das Redes Manoel Câmara, onde puderam conversar diretamente com o especialista do IAPAR. “Um dos principais papéis das Redes é conseguir viabilizar esse contato direto dos especialistas do instituto com técnicos e agricultores. É dessa forma que resolvemos os problemas reais da produção”, explica Rafael Fuentes.

Durante a capacitação, o fitopatologista caminhou com os produtores familiares pelos pomares e apontou alguns dos problemas comuns na produção de citros. “Duas questões que pudemos visualizar e discutir soluções foram a respeito de doenças conhecidas como “declínio” e “tristeza”. No caso do “declínio”, a melhor solução seria deixar a planta produzir até o seu limite e depois substituí-la por outra”, analisa Rui Pereira, que também discorreu sobre as melhores alternativas sobre a utilização dos porta-enxertos para a laranja.

Outro problema discutido, considerado “mais sério” pelo especialista da APP, é uma doença conhecida como “greening” ou HLB. Como a evolução da doença é rápida devido à eficiência do seu vetor, o fitopatologista salientou a importância de alguns cuidados. “Os agricultores devem fazer inspeções regulares nos pomares ficando atentos com os sintomas. Se encontrada alguma planta doente, ela deve ser prontamente eliminada. Pela conversa que tivemos, considerei que os agricultores da região estão bem conscientes acerca do problema”, certifica o pesquisador.

Rui Pereira ainda ressaltou a importância do trabalho das Redes, aproximando os especialistas do IAPAR com os agricultores do estado. “É importante para eles e também para nós pesquisadores, que podemos identificar problemas que, às vezes, não enxergamos e ver como, na prática, resolvê-los é bem mais difícil. Ter esse ‘feedback’ para a pesquisa e resolver as dificuldades deles é muito importante”, finaliza o especialista.

As Redes de Referências para a Agricultura Familiar têm o apoio do Programa Universidade Sem Fronteiras, da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti).



Programa Universidade Sem Fronteiras / Seti / IAPAR
Jornalista Victor Lopes
Telefone: 43 3376 2249
E-mail: comunicacaoredes@iapar.br
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.