Solo

Líder do Programa:
Ademir Calegari

O Que Faz

O Programa busca, conhecer, levantar potencialidades e oportunidades de uso sustentável dos recursos naturais no Estado do Paraná. Para tanto, avalia e desenvolve técnicas para o uso e preservação destes recursos em áreas agrícolas, explorando suas potencialidades econômicas mas de maneira sustentável.
Dentro deste foco, o programa trabalha com o uso, manejo e conservação do solo e da água, tais como o desenvolvimento de sistemas de cultivo conservacionistas (Plantio direto) e também com controle de erosâo através de modelagem, com o uso e manejo de fontes alternativas de insumos tais como a biodiversidade de plantas e de organismos do solo, biotecnologias aplicadas a plantas e à microrganismos visando eficiência no cultivo, com o uso e manejo de resíduos agroindustriais visando sua destinação final de forma eficiente e não poluidora, com o desenvolvimento de equipamentos, máquinas e instalações para uso, manejo e aproveitamento de recursos naturais e resíduos agroindustriais. Além disso, o Programa de Solos e Água-PSA também trabalha com a caracterização do clima e bioclima, visando o zoneamento agropecuário e a previsão de safras.

Resultados

RECOMENDAÇÃO DE DOSES DE CHORUME EM FUNÇÃO DO TIPO DE SOLO.

Resultados mostraram que o chorume (conjunto de fezes, urina, pêlos e água da lavagem dos chiqueiros) pode ser usado como adubo orgânico em áreas de plantio direto. Usando o chorume foi possível aumentar a produtividade da soja em 35%. A quantidade de chorume a ser aplicada é determinada pelo tipo de solo da propriedade. Devem ser levadas em conta características como a declividade do solo, quantidade de argila, profundidade e distância de lençóis freáticos. A dosagem máxima recomendada para um solo ideal (plano, argiloso, profundo e situado no topo do relevo), é de 90 metros cúbicos por hectare.
Para o cálculo da dose a ser aplicada, também foi desenvolvido um software que fornece os índices de aplicação de acordo com o tipo de solo, calcula a quantidade de nutrientes e estima se há necessidade de complementar os tratos culturais com os adubos comerciais. Todas as informações fornecidas levam em consideração os dados de profundidade e declive do solo e também a distância da área dos cursos d´água. Esta tecnologia pode auxiliar no uso racional do chorume pelos agricultores.

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS COM POTENCIAL RISCO DE POLUIÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS POR ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE SUÍNOS.

Neste trabalho desenvolveu-se o "Indice de Qualidade Ambiental da Suinocultura - IQAS", que demonstrou ser uma ferramenta valiosa para o diagnóstico e avaliação das principais questões ambientais relacionadas à suinocultura nas propriedades suinícolas.
O grande número de informações coletadas nas propriedades, que podem ser utilizadas isoladamente ou conjuntamente para identificação dos principais gargalos das unidades produtivas de suínos permite que o IQAS possa ser aplicado com o objetivo de indicar as melhorias necessárias nas propriedades, bem como suas principais deficiências. Este índice poderá, por exemplo, ser utilizada pelos órgãos de fiscalização ambiental, como uma ferramenta metodológica para a avaliação das condições de unidades produtivas de suínos em relação ao meio ambiente, atendendo assim aos critérios e normas da legislação atual.
Neste projeto, a análise dos dados no universo amostral trabalhado permitiu identificar através da determinação do IQAS que 10% das propriedades apresentavam condições completamente críticas para a prática da suinocultura, 25% das propriedades apresentaram condições mínimas, e 64% apresentaram em condições irregulares.

Projetos em Andamento

* Desenvolvimento de métodos de preparo de solo em sistemas de lavoura diversificada em rotação de culturas e adubação verde.
* Influência das coberturas vegetais na infestação das culturas e no seu controle.
* Desenvolvimento de métodos de análise química
* Monitoramento agroclimático do Estado do PR.
* Uso racional de resíduo de suínos na região Oeste do Estado do Paraná.
* Zoneamento agrícola do Estado do Paraná.
* Mobilização do calcário no solo em plantio direto.
* Monitoramento do aporte de sedimentos no Lago de Itaipu e modelagem dos riscos de erosão na bacia do Rio Paraná.
* Coleção de espécies e manutenção de banco de inóculo de fungos microrrízios vesículo arbusculares.
* Avaliação da eficiência agronômica do bioestimulante agrícola Grozyme.
* Recomendação de doses de chorume em função do tipo de solo.
* Dinâmica de semeadoras em municípios lindeiros à Represa de Itaipu.
* Sistema de suporte à decisão para escolha das melhores épocas de semeadura de culturas anuais.
* Uso de marcadores moleculares na determinação da diversidade de fungos micorrízicos arbusculares em diferentes sistemas de cultivo.
* Genoma estrutural e funcional de bactéria fixadora de nitrogênio endofítica Herbaspirillum seropedicae.
* Modelagem da trafegabilidade do solo sob manejo conservacionista através da lógica Fuzzi.
* Dinâmica de íons na solução do solo em sistema de plantio direto.
* Difusão de técnicas para a melhoria da qualidade do plantio direto na região do Paraná III.
* Identificação de propriedades rurais com potencial risco de poluição dos recursos hídricos por águas residuárias de suínos.
* Avaliação de máquinas de semeadura de plantio direto e pulverizadores de tração animal na agricultura familiar.
* Avaliação da fixação biológica de nitrogênio em cultivares de feijoeiro visando o cultivo na propriedade familiar em sistema de plantio direto.
* Monitoramento de ciclagem de nutrientes pelas plantas espontâneas, nas culturas anuais, em plantio direto e sua ação sobre a microbiologia do solo em diferentes regiões no estado do Paraná.
* Efeito da matéria orgânica do solo na calagem em sistema de plantio direto.
* Avaliação do lodo frigorífico da lagoa de decantação no reflorestamento de eucalipto.
* Produção de inoculação microbianos de espécies arbóreas para recuperação de áreas com solos degradados.
* Geosafras - estimativas da produtividade regional de cultivos no estado do Paraná.
* Uso dos subprodutos do processamento do xisto pirobetuminoso na agricultura
Recomendar esta página via e-mail: