CONVENIO

22/11/2019

Paraná ingressa na rede internacional da seda

Paraná ingressa na rede internacional da seda(22/11/2019) Ratinho Junior e o secretário de Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, representaram o Estado no Festival da Seda de Lyon (Silk In Lyon), que ocorre pelo terceiro ano consecutivo e reúne os representantes da indústria internacional e os maiores produtores de fio de seda do mundo.

Eles foram convidados pela Hermès, marca francesa famosa por seus produtos de couro e seda, e pela Bratac, única indústria de fios de seda do Brasil, com unidade em Londrina. Lyon é considerada o centro global da fibra.

No evento, aconteceu a assinatura oficial de criação da Rede Internacional de Cidades da Seda e Regiões Metropolitanas, que vai explorar as cidades em torno do tema da seda como atração de negócios e desenvolvimento econômico. O Paraná, que é o maior gerador de fio de seda do Brasil, reconhecido internacionalmente pela qualidade da fibra e pela economia sustentável, passa a fazer parte dessa rede.

A teia econômica envolve países e regiões produtoras e pretende estabelecer canais de networking global para refinar a produção. Também assinaram o pacto China, Japão, Uzbequistão, Espanha, Itália e França.

O objetivo do Paraná dentro da rede, afirmou Ratinho Junior, é fazer da produção da seda um vetor de desenvolvimento econômico, social, ambiental e turístico, espelhando o que outras regiões do mundo já fazem em torno da cultura.

“A seda chegou ao Estado na década de 30 com a imigração japonesa e desde então vem colaborando com nosso desenvolvimento econômico. O governo pretende ampliar em cerca de 50% a produção nos próximos três anos”, disse o governador. “A seda emprega milhares de famílias no Paraná e buscamos cada vez mais qualidade para os clientes internacionais, que são nossos grandes compradores”.

Segundo Ortigara, o ingresso na rede global significa uma oportunidade de apresentar a produção sustentável paranaense, questão fundamental no mundo da moda. "É uma união global de incentivo à sustentabilidade e ao fortalecimento da cadeia. A seda brasileira tem qualidade muito superior, embora nossa participação ainda seja pequena no mercado global. As grifes mundiais veem com muito interesse nossa produção”, acrescentou o secretário. “Nosso desafio é fortalecer essa cadeia que gera oportunidade, emprego e num modelo sustentável que o mundo aprecia”.

REDE - A Rede Internacional de Cidades da Seda e Regiões Metropolitanas pretende explorar o potencial dos municípios e dos produtores em torno da seda, principalmente para atração de negócios e desenvolvimento econômico. O objetivo é fazer da fibra uma propulsora de oportunidades para aumentar o intercâmbio entre os países e a geração de renda.

A rede pressupõe pontes entre os países para tornar a fibra indutora de inovação e pesquisa para o agronegócio, produtos têxteis, dermatológicos e cirúrgicos, além dela ser a base de um setor-chave das indústrias cultural e criativa de moda e design. Entre as medidas a serem adotadas em conjunto está a proteção da seda e de seus produtores como condutores de conhecimentos históricos, habilidades comerciais e conservação do patrimônio.

Durante o Festival da Seda de Lyon também foram projetadas ações para reforçar os negócios e as relações com artistas, artesãos, pesquisadores e industriais das áreas produtoras para promover enriquecimento mútuo. O evento contou com programação técnica sobre a valorização desse mercado.

PARANÁ - O Paraná é o maior produtor de fio de seda do País, responsável por 84% da produção nacional. O volume anual brasileiro é de 3.008 toneladas de casulos verdes, das quais 2.533 toneladas são paranaenses.

São mais de 4.000 hectares plantados com amoreiras no Estado, com cerca de 2.310 famílias na atividade. Estima-se que o setor gera cerca de 8 mil empregos diretos e indiretos em 174 municípios. Os fios de seda paranaense são vendidos para indústrias de fiação da Europa e da Ásia.

A Secretaria da Agricultura e Abastecimento (Seab) apoia a atividade por meio das patrulhas sericícolas (conjunto de equipamentos que inclui trator, carreta, roçadeira, distribuidor de calcário, subsolador, corrente e máquinas de retirar casulo). Além disso, os pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), em conjunto com os técnicos da Emater e da indústria Bratac, propõem inovações constantes para os sericicultores com o objetivo de gerar mais renda com aumento da produtividade e redução do esforço físico pelo uso de máquinas e equipamentos específicos à atividade.

Com a introdução de mais tecnologia, o Departamento de Economia Rural (Deral), da Seab, registra aumento do ingresso de jovens na atividade a renovação de sericicultores é de cerca de 10% ao ano , em contraponto a outras culturas, que têm mais dificuldades nessa fidelização.


Agência de Notícias do Paraná.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.