IAPAR

20/07/2017

Seminário avalia trabalho de jovens pesquisadores

Seminário no IAPAR avalia trabalho de jovens pesquisadores(20/07/2017) Terminou na manhã desta quinta-feira (20), em Londrina, o 25º Seminário do Programa de Iniciação Científica (ProICI) do IAPAR. Durante três dias de atividades, os 79 bolsistas da instituição apresentaram os resultados de suas pesquisas a uma banca avaliadora designada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O programa oferece uma bolsa de estudos para universitários interessados em desenvolver projetos de investigação científica e desenvolvimento tecnológico. O objetivo é possibilitar que os estudantes possam vivenciar o dia a dia da pesquisa ainda durante o curso de graduação.

Ao longo dos 25 anos de existência do programa, já foram bolsistas da instituição mais de 1.200 estudantes. Muitos deles direcionaram sua carreira profissional para atuar no campo científico, segundo Telma Passini, pesquisadora do IAPAR e coordenadora do ProICI.

“Esses estudantes hoje são profissionais que trabalham em universidades, empresas tecnológicas, extensão rural e centros de pesquisa. Aqui mesmo no IAPAR há vários deles, que hoje são líderes de pesquisa”, enfatizou o diretor-presidente Florindo Dalberto.

Por um período que pode durar até dois anos, os bolsistas se engajam em projetos de pesquisa do IAPAR e desenvolvem atividades nos diversos laboratórios e campos experimentais distribuídos pelo Paraná, sempre mediante a supervisão de um pesquisador da instituição.

Agricultura familiar, melhoramento genético vegetal, fruticultura, biotecnologia, manejo do solo, controle de pragas e doenças e economia rural são, dentre vários outros, os temas estudados pelos bolsistas, que são estudantes de Agronomia, Ciências da Computação, Ciências Econômicas, Engenharia Agronômica, Engenharia Ambiental, Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, Engenharia Elétrica, Geografia, Química e Zootecnia.

Os atuais bolsistas do IAPAR provêm de Londrina (Universidade Estadual de Londrina, UEL; Universidade Norte do Paraná, Unopar; Centro Universitário Filadélfia, Unifil e Universidade Federal Tecnológica do Paraná, UTFPR); Curitiba (Universidade Tuiuti do Paraná, UTP); Ponta Grossa (Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG; e Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais, Cescage); Pato Branco (UTFPR), Cascavel (Universidade do Oeste do Paraná, Unioeste; e Faculdade Assis Gurgacz, FAG); Maringá (Universidade Estadual de Maringá, UEM); Palmas (Instituto Federal do Paraná, IFPR) e Santa Tereza do Oeste (UTFPR).

AVALIAÇÃO – Maria de Fátima Guimarães e Sérgio Ruffo Roberto, ambos docentes do curso de Agronomia da UEL, integraram a banca examinadora. “A maioria das apresentações foi muito boa. E o IAPAR está de parabéns pelo cuidado com que trata o programa de iniciação científica”, destacou a professora.

O professor Sérgio Ruffo também elogiou o desempenho dos estudantes e destacou a importância da experiência de iniciação científica ainda na fase de graduação. “É um privilégio participar deste programa, uma oportunidade única que os estudantes devem aproveitar para se engajar na carreira profissional”, aconselhou.

EXPERIÊNCIA – Amanda Lovisotto Martins é aluna do quinto ano de Agronomia na Universidade Norte do Paraná (Unopar), em Londrina, e desenvolve seu projeto em melhoramento genético de café. Sob orientação do pesquisador Gustavo Hiroshi Sera, ela estuda a área foliar de diferentes cultivares, um parâmetro para estimar a capacidade de fotossíntese da planta, que tem reflexos na produção final. “A iniciação científica permite vivenciar na prática a aprendizagem da sala de aula”, resumiu.

Concluindo o primeiro ano no programa e também na área de melhoramento genético, mas trabalhando com a cultura da maçã, Alexandre Friedrich Ribas está no quarto ano de Agronomia do Instituto Federal do Paraná (IFPR), em Palmas. Ele pretende seguir na iniciação científica por mais um ano e depois ingressar no mestrado. “A iniciação científica é um pré-requisito para seguir carreira na pesquisa”, considerou ele, que tem o pesquisador Clandio Medeiros da Silva como orientador.

De Pato Branco, Jéssica Maiara Nemirscki, aluna do terceiro ano de Agronomia na UTFPR, já foi bolsista na universidade antes de se juntar à equipe do IAPAR, onde está há um ano em um projeto conduzido pelo pesquisador Alceu Luiz Assmann. Ela investiga a decomposição de matéria orgânica em plantio direto, e já decidiu que pretende seguir carreira como pesquisadora. “Acredito que a experiência na iniciação científica vai ser um diferencial em minha carreira”, concluiu.

BOLSAS – As bolsas oferecidas aos estudantes são financiadas pelo CNPq, ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia; Fundação Araucária, entidade da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), e recursos próprios do IAPAR.

PRÊMIOS – Ao final do evento, a banca premiou as melhores apresentações. São elas:

Apresentação oral
1º Ananda Covre da Silva (Agronomia – UEL)
2º Geraldo Loyola Baioco (Engenharia Elétrica – UTFPR de Pato Branco)
3º Tatiane Conceição Moreira da Silva (Agronomia – Cescage)

Poster
1º Daiara Forlin (Agronomia – FAG)
2º André de Gusmão Chudzik (Agronomia – Unifil)
3º Edson Sadao Ono (Agronomia – Unopar)


Serviço de Imprensa do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR)
Edmilson Gonçales Liberal (MTb 4782/PR)
Tel: 43 3376-2465 / Correio eletrônico: imprensa@iapar.br
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.